MOSSORÓ: Professores querem ser recebidos pela prefeita Rosalba para discutir pleitos da categoria

Professores cobrarão abertura de diálogo por parte da Prefeitura durante a abertura do ano letivo

Durante a assembleia realizada na manhã da última terça-feira (11), os professores da rede municipal de ensino deliberaram por pressionar a gestão municipal a abrir o diálogo em relação à pauta de reivindicação protocolada em dois ofícios pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Mossoró (Sindiserpum) no dia 19 de dezembro e em 06 de fevereiro.

As ações foram iniciadas nesta quarta-feira (12) durante a solenidade de abertura do ano letivo, quando os professores participaram do ato vestindo preto. A cobrança por diálogo também se intensificou nas redes sociais.

Assembléia aconteceu no auditório da Estação das Artes

Um estudo realizado pelo professor João Paulo Gondim, foi apresentado aos professores em relação a defasagem real do Piso dos professores no município de Mossoró, que é de 14,16%, levando em conta que no ano passado a prefeita Rosalba Ciarlini não obedeceu a Lei Nacional e deixou de aplicar 0,42% de diferença do Piso Nacional.

A presidente do Sindiserpum, Marleide Cunha, também passou informações a respeito da audiência realizada na 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Mossoró no último dia 30 de janeiro, sobre a Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público afim de obrigar o município de Mossoró a implantar, “imediatamente” a hora-relógio no ensino público municipal.

Segundo Marleide, a juíza Kátia Cristina Guedes Dias derrubou a Tutela de Urgência na aplicação da hora-relógio, acatando as alegações do sindicato de que não há prejuízos ao calendário letivo do município, dentre outras justificativas que, na verdade, caberia ao Executivo fazer a defesa, sendo que figura como réu no processo, porém, não o fez.

“A situação demonstrada no caso concreto, a meu ver, não comprova a existência de um dano irreparável ou de difícil reparação, uma vez que os fatos narrados na exordial relatam que a distribuição da carga horária, no formato utilizado de hora-aula – 50 minutos – já ocorre há vários anos, bem como que a estrutura curricular do ano de 2020 também foi construída neste formato”, declarou a juíza.

A derrubada da Tutela de Urgência é também parte da pauta de reivindicação 2020. Uma nova assembleia foi deliberada para o dia 04 de março.

Fonte: Assessoria Sindiserpum

 

Nós queremos saber a sua opinião sobre o conteúdo dessa matéria. Faça o seu comentário, compartilhe essa informação e siga nossas redes sociais.

Posts relacionados