15 de agosto de 2022

PF investiga corrupção no Enem durante gestões anteriores

A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (7/12), ação para investigar superfaturamento na confecção das provas do Enem no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, entre os anos de 2010 e 2018. O prejuízo é de quase R$ 730 milhões.https://googleads.g.doubleclick.net/pagead/ads?client=ca-pub-9306856712405846&output=html&h=312&slotname=6948253121&adk=2826002381&adf=2507546289&pi=t.ma~as.6948253121&w=375&lmt=1638906984&psa=1&format=375×312&url=https%3A%2F%2Fvistapatria.com.br%2Fpf-investiga-corrupcao-no-enem-durante-gestoes-anteriores%2F&flash=0&host=ca-host-pub-2644536267352236&wgl=1&dt=1638906984531&bpp=1&bdt=982&idt=-M&shv=r20211201&mjsv=m202112010101&ptt=9&saldr=aa&abxe=1&cookie=ID%3Da5b8bd45a2d46db1-22facd8782ce003e%3AT%3D1638805259%3ART%3D1638805259%3AS%3DALNI_MZ-ZEoqmbbY0-AD75MMo6ZuVfnSqw&prev_fmts=0x0%2C375x284%2C375x312&nras=3&correlator=5642607565116&frm=20&pv=1&ga_vid=1061345583.1633530762&ga_sid=1638906984&ga_hid=1162294702&ga_fc=1&u_tz=-180&u_his=5&u_h=667&u_w=375&u_ah=667&u_aw=375&u_cd=32&u_sd=2&adx=0&ady=1376&biw=375&bih=553&scr_x=0&scr_y=171&eid=31063696%2C31063792&oid=2&pvsid=4047089886395462&pem=773&tmod=124111309&ref=https%3A%2F%2Fvistapatria.com.br%2F&eae=0&fc=1920&brdim=0%2C0%2C0%2C0%2C375%2C0%2C375%2C667%2C375%2C625&vis=1&rsz=%7C%7CeEbr%7C&abl=CS&pfx=0&fu=0&bc=31&ifi=4&uci=a!4&btvi=2&fsb=1&xpc=kmJPcT3cHY&p=https%3A//vistapatria.com.br&dtd=12

Esses contratos foram firmados no governo do ex-presidiário Lula , em 2010, e reiterados nos governos Dilma Rousseff e Michel Temer, com a empresa RR Donnelley e Valid.

São cumpridos 41 mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro. A Justiça também determinou o sequestro de R$ 130 milhões em contas das empresas envolvidas nas supostas fraudes.

A operação contou com efetivo de 127 policiais federais e 13 auditores da Controladoria-Geral da União participa das diligências. De acordo com a PF, a ofensiva mira supostos crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva, crimes da lei de licitações e lavagem de dinheiro.

De acordo com os investigadores, as apurações desenvolvidas em conjunto com a CGU estão centradas em contratos de R$ 880 milhões, celebrados desde 2010. O grupo sob suspeita seria integrado por empresários, funcionários das empresas envolvidas e servidores públicos, conforme revela a Polícia Federal.

No momento, a PF investiga se o Inep contratou uma empresa para realização do Enem, sem observar normas de licitação

Vista Pátria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *