7 de dezembro de 2021

Ricardo Coutinho, filho, irmãos e mais 3 viram réus no caso da compra da casa em condomínio de luxo

O ex- governador Ricardo Coutinho, o filho Ricardo Cerqueira Leite Vieira Coutinho, e os irmãos Coriolano Coutinho e Raquel Vieira Coutinho se tornaram nesta terça-feira, dia 9, réus em mais uma ação penal no âmbito da Operação Calvário.

Dessa vez no caso da acusação de recebimento de propina de empresa fornecedora de ração e sementes, utilizada para compra de uma casa em condomínio de luxo onde reside atualmente o ex-governador.https://cdn.metrike.com/ac40398c9ab0fa30e58095c6341f2126/index.html?clickTag=https%3A%2F%2Fads.metrike.com%2Fcl.php%3Fbannerid%3D84130%26zoneid%3D6448%26sig%3D5049e50376e67a4935e5c96aacaa5686b8308d3704107153325e09fd1e9649f4%26oadest%3Dhttp%253A%252F%252Fwww.al.pb.leg.br%252F

Também se tornaram réus o empresário Ivanilson Araújo, Anelvina Sales Neta e  Denise Krummenauer Pahim, totalizando sete pessoas que foram denunciadas a partir de diversas investigações e após a deflagração de diversas fases da Operação Calvário, o maior escândalo de corrupção na história da Paraíba.

Nesta terça-feira, dia 9, o juiz Marcial Henrique Ferraz da Cruz, da 2ª Vara Criminal da Capital, recebeu a denúncia oferecida pelo Ministério Público da Paraíba, através do Gaeco.

“RECEBO A DENÚNCIA, em todos os seus termos, eis que observados os requisitos exigidos pelo artigo 41 do Código de Processo Penal e não vislumbradas – ao menos até o presente momento – nenhuma das hipóteses constantes do artigo 395 do mesmo Diploma”, decidiu o magistrado.

“Cite(m)-se o(a)(s) denunciado(a)(s) – e, em sendo o caso, intime(m)-se o(a)(s) advogado(a)(s) já constituído(a)(s) – para, no prazo de 10 (dez) dias, responder(em) à acusação, na forma dos artigos 396 e 396-A do Código de Processo Penal”, determinou.

A DENÚNCIA – O Gaeco/MPPB ofereceu a 23ª denúncia no âmbito da Operação Calvário, por supostas práticas dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro contra o ex-governador da Paraíba, Ricardo Vieira Coutinho , dois irmãos, um filho e mais três outras pessoas.

Ricardo Coutinho é acusado de pedir e receber dinheiro de propina da Santana Agroindustrial Ltda, operação realizada com apoio de irmãos e de empresários.https://cdn.metrike.com/ac40398c9ab0fa30e58095c6341f2126/index.html?clickTag=https%3A%2F%2Fads.metrike.com%2Fcl.php%3Fbannerid%3D84130%26zoneid%3D6448%26sig%3D5049e50376e67a4935e5c96aacaa5686b8308d3704107153325e09fd1e9649f4%26oadest%3Dhttp%253A%252F%252Fwww.al.pb.leg.br%252F

Segundo a denúncia, com recursos de corrupção o ex-governador Ricardo Coutinho teria comprado a casa em condomínio de luxo, onde reside, no Portal do Sol, em João Pessoa.

A casa no condomínio Bosque das Orquídeas teria custado em fevereiro de 2018, a quantia de  R$ 1.767.000,00 ( um milhão setecentos e sessenta e sete mil reais).

Além de Ricardo Coutinho, também foram denunciados os irmãos dele, Coriolano Coutinho e Raquel Vieira Coutinho, o filho dele Ricardo Cerqueira Leite Vieira Coutinho, o empresário Ivanilson Araújo, Anelvina Sales Neta e  Denise Krummenauer Pahim.

O Gaeco/MPPB pede a fixação da quantia de  R$ 7.390.208,00 (sete milhões trezentos e noventa mil duzentos e oito reais) como valor mínimo para reparação dos danos.

Os valores correspondem a R$ 300 mil de transferência bancária realizada pelo empresário Ivanilson Araújo nas contas de Raquel Vieira Coutinho, R$ 50 mil referente a depósito feito por Anelvina Sales na conta de Raquel Vieira Coutinho, R$ 30 mil referente depósito de Anelvina Sales Neta na conta de Denise Krummnauer Pahim, e R$ 10.208,00 referente doação em mercadorias feita pela Santana Agroindustrial Ltda a Coriolano Coutinho.

Também estão nesse valor fixado em R$ 7,3 milhões, a quantia de R$ 7 milhões correspondentes a 10% de todos os pagamentos realizados pelo Governo do Estado da Paraíba em favor do grupo empresarial liderado pelo empresário Ivanilson Araújo.

O Blog disponibiliza o espaço necessário para versão dos denunciados.

Blog do Marcelo José

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *