7 de dezembro de 2021

ELEIÇÕES 2022 João, Pedro, Cabo Gilberto e Cartaxo seriam, a preço de hoje, os nomes mais cotados para disputa ao governo

Facebook
fb-share-icon
Twitter
Tweet

https://cdn.metrike.com/cfd1159d8b30b8c677c549e0a8b2f255/index.html?clickTag=https%3A%2F%2Fads.metrike.com%2Fcl.php%3Fbannerid%3D84867%26zoneid%3D7722%26sig%3D8821de9d3188c46095992324bf1b31d389435ec0e13f89e1226f7a6541962ec1%26oadest%3Dhttps%253A%252F%252Fparaiba.pb.gov.br%252F

Os sinais na praça política da Paraíba indicam espaço para o lançamento de, pelo menos, quatro candidaturas ao governo do Estado, de acordo com as tendências ideológicas.

Na primeira raia, de centro-esquerda, vem o governador João Azevedo, que foi amplamente esnobado pelo ex-presidente Lula, apesar de ter a maioria da executiva estadual do PT.

O que é muito, mas não suficiente. Ninguém desconhece a ligação de Lula com o ex-governador Ricardo Coutinho que, certamente, dará a última palavra sobre o palanque do ex-presidente na Paraíba. E Ricardo Coutinho tem tratado João sempre como “traidor”. Como candidato natural à reeleição, e estando no poder, parte na dianteira.

Na segunda raia, há espaço para uma oposição de centro-direita que, a preço de hoje, seria o deputado Pedro Cunha Lima, depois da desistência do ex-prefeito Romero Rodrigues.

Pedro já era um dos nomes lembrados, ainda quando Romero estava no páreo. Agora, no vácuo que se criou, vai caber ao deputado tentar conciliar posições e se consolidar como candidato viável, ancorado na força do ex-senador Cássio Cunha Lima, que segue como uma das grandes lideranças do Estado.

Numa terceira raia, certamente há espaço para uma candidatura mais à direita, ou, bolsonarista. E já há um pretendente, que é o deputado Cabo Gilberto, um dos aliados mais fiéis do presidente Bolsonaro.

Cabo Gilberto vai precisar operar para mostrar viabilidade de sua pretensão, para não se tornar um candidato pró-forma, apenas para garantir um palanque a Bolsonaro. As forças bolsonaristas no Estado já estiveram num melhor momento, mas não se pode subestimar uma militância que é muito aguerrida.

Numa quarta raia, teríamos um candidato à esquerda, aquele que precisará ter o DNA lulista. Dois nomes tem sido especulados: o senador Veneziano Vital do Rego e o ex-prefeito Luciano Cartaxo.

Veneziano tem promovido um movimento pendular, ora demonstra que será candidato, ora reafirma apoio a João Azevedo. Mas, pelo se diz nos bastidores, se Lula conseguir convencer a indicar a senador emedebista Simone Tebet a ser sua vice, a tese da candidatura irá ganhar tração. A conferir.

No caso de Cartaxo, ele próprio já admitiu que poderá ser candidato. Mas, irá precisar passar credibilidade de sua postulação, que ficou abalada desde que desistiu de disputar o governo em 2018, deixando as oposições em péssima situação para enfrentar o então candidato João Azevedo. Também a conferir.

Por fim, haverá as opções de partidos como PSTU, PSol e PCO, que, por tradição, também apresentam candidatos em praticamente todas as eleições, mesmo com poucas chances eleitorais.

Blog do Helder Moura

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *